O Diagnóstico

| sexta-feira, 6 de março de 2009 | |
Em jovem, o professor de filosofia havia-lhe dito que, naquela idade o seu cérebro era como uma esponja e que por isso tinha que absorver tudo e aproveitar o dia. Absorveu, absorveu, absorveu, aproveitou o dia e a noite também e só se lembrou do professor outra vez quando lhe foi diagnosticado um cancro no fígado.

0 comentários: