Dois Mundos

| quarta-feira, 29 de abril de 2009 | |
A Cidade havia-se dividido em duas facções logo a seguir à revolução. Haviam os jovens que seguiam o movimento de Dan e os outros, os que seguiam a onda de Rhonda.
A primeira seita acreditava firmemente que o descendente do Salvador estava no meio de nós, e que, qualquer um podia ser Ele. Era cativante a ideia de um dia acordar e pensar «Sou O Messias». Esta seita era constítuida por uma população muito flutuante, uma vez que ironicamente, ao tentarem andar por cima de água, os seus seguidores geralmente afundavam-se, má sorte para os que não sabiam nadar.
Do outro lado das trincheiras militavam os seguidores do positivismo selvagem. Estes até tinham um hino à sua matriarca que não se cansavam de cantar: «Help me Rhonda, Help, Help me Rhonda...». Os adeptos desta facção acreditavam que se pensassem positivo, com muita força, a realidade transformava-se a seu gosto. Ouve logo quem se lembrasse de pensar muito positivo, sobre o regresso do saudoso ditador Salazar. E o homem realmente apareceu, só para voltar a desaparecer num ápice, uma vez que, aqueles para quem o velho ditador não era tão saudoso, pensaram positivamente em mandá-lo de volta. Diz quem assistiu que, a certa altura, havia um Salazar intermitente em cada esquina.
Apesar da Cidade estar dividida em duas, Dan e Rhonda por seu lado, eram amicíssimos. Encontravam-se uma vez por mês, para tomar chá e fazer um balanço dos lucros.

4 comentários:

FacAfiada Says:
29 de abril de 2009 às 20:12

El Matador,
Ena que estamos a flutuar numa imaginação politicamente incorrecta!

Podias ter juntado mais personagens ... podias ter feito aparecer o Sebastião numa manhã de nevoeiro, era capaz de ter melhor ar que o Salazar ... digo eu!

El Matador Says:
29 de abril de 2009 às 20:32

Pois é, eu lembrei-me do Salazar porque me parece que as pessoas andam todas muito saudosas do homenzinho.
Gosto de pensar que, se ele voltasse um dia por causa do pensamento de uns, haveria sempre outros a indicar-lhe o caminho de volta(ao inferno,para desgosto do diabo).

FacAfiada Says:
29 de abril de 2009 às 23:05

Haja lenha para manter as chamas ... do Inferno!

El Matador Says:
29 de abril de 2009 às 23:45

Ehehe, é como na anedota:
Quando o salazar chegou ao inferno, o filho do diabo apareceu à porta com umas brasas na mão que entregou ao salazar com o recado:
- o meu pai diz para você ir fazer o inferno noutro lado.