As Virgens Loucas

| sexta-feira, 17 de abril de 2009 | |
As virgens loucas decidiram casar-se todas em Agosto, pela força do calor e porque estavam com os calores. Vestidas de branco foram a correr para a Catedral da Sé aos gritos histéricos «É hoje! É hoje!». A igreja estava a abarrotar de convidados e de curiosos: a virgem louca, tal como o Unicórnio Cor-de-Rosa Invisível, era uma visão rara. Arrumada a lenga-lenga habitual com citações bíblicas à mistura, o Padre, que não cabia em si de orgulho, lançou o repto fatal:
Alguém tem algo contra a união destes casais?
Eu! - Ribombou uma voz de trovão por toda a catedral. Era Deus em pessoa.
- Estas virgens não são loucas e nem sequer são virgens. - Era a vontade de Deus que as virgens não se casassem.
Na plateia os convidados resmungavam«eu sabia, nunca me enganaram» e outros ainda «ouvi dizer que uma delas foi para a cama com o filho do primo do padrastro do Zé Filipe». A desilusão era geral e ouve quem fosse reclamar o seu dinheiro à bilheteira.
As virgens, possuídas agora de uma genuína loucura, sairam da igreja a correr aos gritos histéricos «Era hoje! Era hoje!», tomaram o caminho de um penhasco e de lá se atiraram todas ao mar.
Deus ficou todo contente, mas o padre estava inconsolável.

4 comentários:

Fallen Angel Says:
17 de abril de 2009 às 20:56

Havia dias em que o meu antigo patrão tinha um feitiozinho tramado...

El Matador Says:
17 de abril de 2009 às 21:28

Ahahaha

calamity Says:
18 de abril de 2009 às 00:37

...só pode ter sido obra do meu Mestrezinho! ;)


*

El Matador Says:
18 de abril de 2009 às 00:42

:)