O Mestre

| segunda-feira, 25 de maio de 2009 | |
Abrenúncio andava pelas ruas estreitas da cidade, à procura do Mestre. Procurou pelos pequenos túneis que ligam as ruelas umas às outras, passou pelo Golem na parede, desviou-se dos inúmeros transeuntes que, quiçá, também eles procurassem o mesmo, e nada. A sombra do Mestre e os ecos que esta produzia estavam por todo o lado; na pequena praça com o seu nome, no bairro judeu junto à estátua, numa homónima livraria, em todo lado Abrenúncio encontrava o Mestre sem que este estivesse presente. Atravessou a ponte do Carlinhos, acompanhado de perto pelo olhar de censura de todos os santos e chegou ao Bairro Pequeno. Subiu uma estreita escadaria a custo e chegou onde, nem mesmo o agrimensor havia logrado chegar: ao Castelo. Ao deambular pelos jardins do Castelo pisou algo que produziu um som, como que estaladiço. Quando foi raspar o insecto da sola do sapato, constatou num misto de tristeza e ternura que, tinha finalmente encontrado o Mestre.

4 comentários:

roserouge Says:
25 de maio de 2009 às 21:22

Pensei que fosses dizer que finalmente tinha encontrado Margarita...

El Matador Says:
25 de maio de 2009 às 21:29

Se tivesse encontrado Margarita, tinha-a bebido.

roserouge Says:
25 de maio de 2009 às 21:43

Estava a referir-me a "Margarita e o Mestre" de Mikahil Bulgakov.

El Matador Says:
25 de maio de 2009 às 21:51

Ehehe, e a minha cabeça foi logo atrás de outras Margaritas.