0

| quinta-feira, 22 de março de 2012 | |
Surge quase sempre de mansinho, pela madrugada, como quem não quer a coisa, insinuando-se pelos lençois como se fosse uma gripe de qualquer espécie. No entanto a temperatura não sobe. Depois, já entranhado no corpo adopta o comportamento do cancro e espalha-se em todas as direcções. Abate leve, levemente, como quem chama por mim...Ainda pensei que fosse droga ou alguma espécie de aguardente, mas nem o medronho me abate assim. Fui ver, não era nada, absolutamente nada, era o vazio de tudo e de todas as coisas. A ausência que incomoda. Zero, o número inventado pelos indianos. Cabrões dos indianos.

5 comentários:

desejo Says:
22 de março de 2012 às 21:31

Oh! Não te deixes abater pelo 0.
Faz parte dos milhões.


:)

Briseis Says:
23 de março de 2012 às 11:03

Shiuuuu... não o tentes afugentar, que ele ainda mais se agarra a ti... Leva-o a tomar um copo e, quando ele estiver toldado, dá-lhe um coice e põe-no a rebolar para longe. ...a menos que entretanto te afeiçoes a ele...

S.o.l. Says:
23 de março de 2012 às 11:04

:)

Abraço presente!

Maria Says:
26 de março de 2012 às 01:30

esse gajo anda a trair-te matador... desculpa que ponha as coisas nestes termos, mas a verdade é que eele tem ido comigo para cama.

El Matador Says:
26 de março de 2012 às 08:05

ahahahah