Arbeit Macht Frei

| quarta-feira, 23 de novembro de 2011 | |
A Formiga fartava-se de trabalhar o ano todo. Na Primavera, à soalheira do Verão, no Outono, enfim...Uma canseira daquelas de raça lobo, tudo para poder ter um Inverno no sossego do Senhor. Quando se levantava de manhã, ainda antes do sol nascer, para ir para a fábrica, assistia ao espectáculo que era a Cigarra a chegar a casa de táxi, ainda bêbada da noite. Excitada, e como gostava de dar nas vistas, a Cigarra, ao ver as formigas em fila indiana, desatava numa cantoria despegada: Ó GENTE DA MINHA TERRAAAAA!!! - Dava uns goles no que restava da garrafa de vodka, gargalhava disparatadamente e entrava em casa, onde se punha a dormir o dia todo.
Eram da mesma a idade, a cigarra e a formiga. Tinham andado à escola juntas. Depois a formiga seguiu o seu destino de operária e a cigarra o caminho da juventude partidária. A formiga não odiava a cigarra, não, antes invejava-a. De manhã, quando ao frio assistia à chegada da cigarra de mais uma festa glamorosa, não podia se não quedar-se a imaginar como seria ir a um evento daquela espécie, com roupas bonitas, gente alegre e comida à farta. Sobrava-lhe apenas o consolo de saber que o trabalho esforçado, de muitas horas, muitos dias e muitos meses, o trabalho honrado como era o seu, um dia, no futuro, proporcionar-lhe-ia os momentos de descanso e de lazer que ela tanto cobiçava à Cigarra. Talvez até ir de férias – sonhava a Formiga.
Um dia, depois de mais uma longa jornada de trabalho, estava a Formiga a descansar quando recebe a inusitada visita do La Fontaine. Desconfiou. De cenho carregado, mandou-o entrar.
La Fontaine, já à vontade na casa da Formiga, como qualquer patrão, começou a falar com os gestos largos e abundantes, típicos das falas mansas que antecedem as más notícias.
- Tenho boas notícias – Começou La Fontaine – Vais manter o emprego. A Formiga suspirou de alívio.
- No entanto... – A Formiga sabia que tinha que haver um “no entanto”, o patrão não tinha ido a sua casa só para lhe confirmar o posto de trabalho. E La Fontaine prosseguiu em tom de choradinho, que a crise também tinha chegado em força ao mundo das fábulas, que tinha havido uns investimentos mal pensados por parte da Cigarra, que os mercados estavam chateados, enfurecidos mesmo, blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá e que por tudo isso vinha aí a austeridade: mais horas de trabalho, menos ordenado, férias? Nem pensar nisso nos próximos anos, temos é que trabalhar mais, muito mais, para que os mercados voltem a ganhar confiança na Cigarra, sem isso, a fábula não funciona.
- Sabes como é, Formiga, a fábula precisa do esforço de todos nós, somos todos parte integrante desta imensa e generosa fábula. Temos todos que desempenhar o nosso papel.
- E qual é o meu papel? – perguntou a formiga com voz de olheiras.
- Bom...O meu é escrever – Pigarreou La Fontaine - O da Cigarra é cantar,  e o teu é trabalhar. Mas não penses que o teu papel é menos importante que o meu ou o da Cigarra, não, não fiques com essa ideia, cada função é essencial para a fábula. A fábula é a soma das partes. 
O importante é não irritar os mercados. Lembra-te que da última vez que os mercados se chatearam o Lobo Mau comeu a Avózinha. Percebeste?
A Formiga fez que sim com a cabeça e foi deitar-se.
De manhãzinha enquanto se preparava para trabalhar, ouviu a gritaria da Cigarra: Ó GENTE DA MINHA TERRAAAAA!!!
Três pensamentos assaltaram-lhe o espírito: o primeiro foi suicidar-se, o segundo foi revoltar-se nas ruas, o terceiro foi matar a Cigarra. Mas, como era uma formiga de hábitos brandos, vestiu o casacão e saiu para trabalhar.
Ao mesmo tempo, noutro canto da fábula, Abrenúncio passeava no jardim com sangue a pingar-lhe do nariz.


11 comentários:

luisa Says:
23 de novembro de 2011 às 21:32

A ver se amanhã ainda tenho casaco...

El Matador Says:
23 de novembro de 2011 às 21:40

Pois.

Anónimo Says:
24 de novembro de 2011 às 12:15

Fartei-me de rir. Está muito bom :)
F.

El Matador Says:
24 de novembro de 2011 às 13:24

Obrigado F.

ditonysius Says:
24 de novembro de 2011 às 17:49

Digamos que poderei ler esta fábula, aos meus filhotes, para desanuviar uma nova perspectiva, ou saltar um "bangee jumping" dos parâmetros normais.
Gostei um pouco, e mandei uma risada aqui no tasco...

Um abraço do canto de cá...

El Matador Says:
24 de novembro de 2011 às 18:34

É uma versão para todas as horas do dia.

Obrigado Ditonysius, por passares por cá.

Briseis Says:
24 de novembro de 2011 às 19:44

Eu fiquei logo pelo beiço só por haver uma formiga na história... Tenho uma coisa por formigas... =)
Cigarras há muitas, mas formigas há mais. Infelizmente andam tão ocupadas a esfalfar-se, como é sua função, que nem têm tempo ou disposição para mandar as cigarras calar a matraca... Até um dia. Unam-se, formiguinhas!!

El Matador Says:
24 de novembro de 2011 às 20:11

És uma defensora dos direitos das formigas, acho bem.

Eduardina Says:
26 de novembro de 2011 às 22:30

Adorei. Nunca gostei da formiga da fábula original,mas esta formiga fez-me lembrar a vidinha de todos nós e dei comigo com um sentimento de autocomiseração muito desconfortável...

Maria Says:
27 de novembro de 2011 às 14:23

melhor que o original. as melhoras desse nariz.

El Matador Says:
27 de novembro de 2011 às 14:51

@Eduardina: :)


@Maria: Obrigado, Maria